Newsletter

Nome
E-mail*

Login

ESCOLA LACANIANA DA BAHIA - ELBA

A história da ELBA é marcada por três significantes:

1) Trabalho

2) Descentração

3) Produção

Não houve um ato de fundação formal. De fato, foi uma nominação, logo depois de uns anos de trabalho num grupo de estudo sobre Lacan coordenado por Gustavo E. Etkin.
Era maio de 1983. Algumas pessoas se reuniram para discutir a seguinte proposta: um lugar para trabalhar a teoria e a prática psicanalítica; um lugar como pré-texto só para a escritura sem ressonância ou respaldo institucional. Em algum momento, as pessoas que participavam desse grupo reconheceram que era mais que um grupo de estudo de psicanálise porque começava-se a falar da prática de cada um. Então passou a chamar-se VEL-Grupo Freudiano da Bahia, lançando o seu primeiro Boletim anual em 1988, contendo a descrição das suas atividades.

A palavra "grupo" permaneceu nessa nova etapa de perfil mais institucional. Mas como "grupo" também pode designar uma família: "grupo familiar", onde o especular tem o mesmo peso que o simbólico e o real, tratou-se, então, de fazer um Quarto Nó, ou seja, reforçar o simbólico, enfatizando, assim o simbólico ato de nomear como instituição o que antes era grupo, e de formalizar as funções da transmissão da psicanálise e a formação de psicanalistas no caminho traçado por Freud e Lacan. Estávamos em 1994.

Caminho que a ELBA nunca considerou ser eclesiasticamente legitimado pela pertença a um centro legitimador.

A ELBA tenta trocar experiências e interrogações não só entre seus membros mas, também - no possível - com outras instituições do Brasil e de outros países.

É assim que a ELBA, como instituição psicanalítica, se propõe como lugar de trabalho para intercambiar experiências, transmitir a psicanálise segundo Freud e Lacan e formar psicanalistas. Formação que não é efeito de um ritual administrativo, mas resultado tanto da própria análise como da experiência de ocupar o lugar de objeto a na prática de cada um dos seus analistas.

A ELBA, em seu percurso, já experimentou situações variadas, resultado de um trabalho e convivência em grupo. Essas situações implicaram em aprendizado, relançamento de desejo, reformulação da sua forma de funcionamento.

Assim, em 2000, após aprovação em assembléia, a ELBA não adotou a classificação habitual das instituições psicanalíticas de graus e hierarquias porque, se o analista é efeito, resultado apenas do trabalho na sua prática clínica - como analisante e analista - e na instituição, ser nomeado psicanalista, decorrerá de um percurso, portanto après-coup, logo-depois, Por isso, a ELBA escolheu o caminho de aprofundar questões e estudo sobre temas polêmicos como o passe para, depois, discutir a sua implantação ou não, em vez de instituí-lo apenas porque, imaginariamente, uma instituição psicanalítica deve organizar-se dessa forma.

Assim, muita gente passou pela Escola Lacaniana da Bahia e foram ficando apenas os que demonstraram um compromisso de estudo e trabalho constante. Uma instituição em permanente construção, no possível não formalizada burocraticamente, no sentido de que, cada categoria (grau, hierarquia) adotada por ela será conseqüência do trabalho psicanalítico com a escuta, a palavra, e a letra.